Guerras Titânicas

A guerra foi um conjunto de batalhas onde os titãs e os deuses se enfrentaram por vários anos, um período de tempo tão longo que seria impossível de descrever em palavras. Todas elas foram causadas pelas ações de um único titã, Cronos, que desencadeou gigantesca raiva em seu filho Zeus.
Gaia evitava interferir em questões que não lhe convinham, entretanto, se ela estivesse ameaçada ou fosse desafiada, sua fúria moveria sóis e planetas, todo o Universo sentiria sua força e sua vingança recairia sobre nós, mortais.
Réia havia escondido seu bebê, Zeus, na ilha de Creta, onde ficou sob cuidado de duas ninfas e Gaia iniciou o jovem deus em uma jornada, qual era essa jornada? Por que interferir apenas agora? Por que não deixá-lo ser engolido pelo pai?
No início da reorganização contra o Caos, Gaia criou Urano para lhe fazer companhia e ser seu parceiro para todos os momentos; mas o medo de perder o trono fez com que ele aprisionasse todos seus filhos no ventre da grande titã, é claro que o ódio era movido pelas terríveis dores de todos seus filhos adultos em seu ventre. Sem nenhuma dúvida, Gaia se vingou de sua criação ordenando que Cronos castra-se o próprio pai. Assim lhe foi ordenado, assim o fez.
Por sua vez, ele recolheu o sangue de seu pai e deixou que escorresse por entre a vagina de Gaia, o sangue fez com que os filhos pudessem novamente sair do ventre que os aprisionava; ela por sua vez, presenteou Cronos com o trono de senhor dos céus e do Universo, desde que vigiasse o pai. Cronos reinava com destreza e se casou com sua irmã Réia. Têmis o avisou que Cronos era fértil, assim como sua esposa, sendo assim, gerariam filhos fortes e sadios; porém, um destes filhos o destronaria.
Cronos se desesperou, pois sofreria exatamente o mesmo que fez com seu pai; ser destronado pelo próprio filho, por alguém muito menos inexperiente. Quando Héstia nasceu, ele a engoliu sem nenhuma cerimônia, simplesmente a pegou em suas mãos e jogou para dentro da boca. Os titãs estranharam a atitude de Cronos, ele nunca havia feito algo tão radical assim, porém, ninguém além dele, Têmis e Réia sabia da profecia. Deméter nasceu alguns meses depois, ele fez o mesmo com a criança; foi a gota d'água, a segunda criança de seu próprio sangue ser engolida? Isso era um absurdo para suportar o fato de um rei que sempre reinou de forma justa atuar daquela maneira; assim, os titãs iniciaram uma revolta contra Cronos e tentaram destroná-lo, mas foi inútil. Réia poderia ter ajudado se não fosse o fato de se subordinar totalmente a ele; em um ato de fúria, Cronos aprisionou todos os irmãos no ventre de Gaia. Foi então que o desastre começou, ela precisava de um titã poderoso que estivesse disposto a ajudá-la.
Réia resolveu agir contra a ação do marido e escondeu Zeus e uma pedra foi engolida em seu lugar; esta era a chance. Uma nova geração de titãs, mais próximos ao homem, tão fortes quanto os titãs, porém, com alguns ganhos, algumas coisas são perdidas. Mesmo sendo de uma nova geração, mais forte que a anterior, estas crianças não tinham o controle da natureza como seus antecedentes. Gaia se mostrou para Zeus e lhe contou sobre seu pai e que ele tinha um trono a herdar; mas ele teria que se preparar antes de tudo.
Sendo ensinado por Gaia, ele teve de encontrar Métis, uma titânide da terceira geração, sua prima. Ela havia escapado da fúria de Cronos e se escondia em um pântano onde nenhum mortal sobreviveria e que até um titã deveria se mostrar capaz de atravessar.
Esta foi a prova que Zeus precisava, ele procurou por todo o pântano e não sofreu nenhum mal, pois todos os seres que ali habitavam (gerados por Gaia) sabiam que ele era a salvação, mas colocaram obstáculos como lições para o jovem. Encontrando a titã, ela o acolheu e lhe ensinou tudo o que sabia, desde técnicas de cura até as de batalha, ele se fortaleceu e sua ansiedade por se vingar do pai apenas aumentava.
Métis preparou uma bebida que faria Cronos vomitar todos os irmãos e assim, com todos os três deuses (Hades, Poseidon e Zeus), seria possível a queda de Cronos.
Zeus foi até o mais distante ponto da Terra e lá encontrou seu pai e sua mãe, sentados nos tronos; se passou por um simples homem que queria agradar ao supremo senhor e lhe entregou a bebida. Sem pensar duas vezes, Cronos virou o líquido na boca e o tomou num único gole, instantes depois, ele vomitou seus filhos e a raiva se alastrou por seu corpo. Réia, assustada, levou as três filhas para a proteção de Tétis (que também havia escapado), os três deuses lutaram contra o pai, mas não estavam preparados para vencê-lo, foi então que Réia interferiu na batalha e imobilizou seu marido e permitiu que os filhos fugissem.
Com todos os seis reunidos, eles puderam resgatar os titãs de dentro do ventre de Gaia, a qual ficou extremamente grata; porém ela alertou:
"Demonstraram muita coragem e força em lutar contra Cronos, vosso pai, senhor do Universo; mas necessitam algo mais, armas poderosas que lhes ajudem na batalha final."
Sem mais demora, Métis guiou os três aos pés de um vulcão onde viviam os três Ciclopes. Em gratidão por terem resgatado eles e salvo a mãe das dores, eles eram excelentes ferreiros e criaram três armas poderosas para presenteá-los. Para Hades, foi entregue um capacete o qual quem usasse, ficaria invisível; para Poseidon, um tridente o qual foi forjado com ajuda de Oceanus, que lhe daria certo controle sobre as águas; e para Zeus, uma arma poderosa, os raios.
Métis alegou que seria prudente se eles atacassem Cronos rapidamente, pois eles não dispunham de tempo, afinal, Cronos o controlava e faria algo para se vingar.
Os três se dirigiram ao trono do pai e lá o convocaram para uma batalha decisiva, ele se levantou, pegou sua foice e partiu para o ataque; Poseidon impediu que a foice tocasse Zeus através de seu tridente, Hades vestiu o capacete e invisível agarrou seu pai por trás e impediu que ele se movesse, por fim, Zeus lançou seus raios no peito do pai; fazendo-o cair no chão sem possibilidade de se levantar.
Mas ainda não era motivo para vitória, ele iria se levantar a qualquer momento, então, os Ciclopes trouxeram correntes tão fortes quanto o próprio corpo de Gaia e o amarraram de tal forma, que seria impossível que ele se levantasse; seus tornozelos foram amarrados com correntes interligadas ao pescoço, quando ele tentasse se levantar, estas correntes puxariam uma espécie de coleira com pinos pontiagudos que atravessariam seu pescoço se ele continuasse a tentativa.
Por fim, eles o jogaram em um deserto onde nem mesmo um deus poderia escapar, e lá, ele vagaria perdidamente tentando encontrar a sua saída, a qual jamais acharia.
Zeus se casou com Métis em agradecimento da ajuda e como havia derrotado o pai, era regente do Universo e poderia controlá-lo quando necessário. Hades criou o submundo e lá reinou; Poseidon, com sua índole, decidiu tomar controle dos mares, enfrentando diretamente Oceanus; este por sua vez, recorreu a ajuda de Zeus. Mas Poseidon lhe disse que tinha o mesmo direito de reinar, e como já haviam reinado os céus e o submundo, e Gaia no controle da Terra, ele devia adquirir os mares; Zeus concordou e fizeram disso um acordo. Os três iniciaram uma batalha contra Oceanus e seus filhos, a qual Poseidon reinou; alguns titãs preferiram não interferir e se calaram. Quando Métis engravidou, Gaia pagou o débito que possuía e profetizou:
"A criança que vier do ventre de Métis te destronará, assim como fizestes com teu pai e o teu pai com teu avô"
Zeus temeu o pior e engoliu Métis em um jogo de transformações. Os deuses nada disseram sobre o assunto, mas os titãs se revoltaram, primeiro Cronos castra o pai e os aprisiona, engole os filhos, agora Zeus aprisiona o pai, engole a esposa e luta contra Oceanus e seus filhos. Era definitivamente a gota d'água; os titãs então se separaram em dois grupos bem distintos, o primeiro era totalmente a favor da destruição de Zeus e os outros deuses, enquanto outra parte se mostrou imparcial, não se opunham, mas também não participaram de nada. Atlas então se prontificou como líder e guiou vários titãs para a guerra, ao contrário de Cronos, ele recrutou os titãs que antes se mostravam imparciais, através de promessas e preparou táticas para não serem pegos sem nenhuma resistência.
Enquanto isso, Têmis havia sido enviada pelas moiras para se casar com Zeus. Zeus aceitou a mão de Têmis; na verdade, ela havia planejado isso para que a justiça fosse feita e que a balança fosse reequilibrada e os deuses não sofressem uma injustiça; pois a vingança de Zeus foi um reequilíbrio e Têmis ser engolida, foi gerada por medo.
Ela passou a ensinar Zeus sobre as leis divinas e a ordem, assim, ele poderia criar as leis e regras afim de que fossem usadas entre titãs e deuses. Atlas então enviou alguns titãs para onde Zeus e os outros deuses viviam. A batalha durou 5 longos dias e Zeus venceu e aprisionou os titãs no ventre de Gaia. Têmis ficou revoltada com a ação do marido, se divorciou e desapareceu.
Olympus, pediu para Zeus e os outros titãs que fosse liberto das guerras, pois Atlas estava tentando fazer com que ele entrasse na guerra; e com isso, ele pediu que servisse para sempre os deuses e que os defendesse. Sem outra escolha, os deuses o transformaram em um enorme monte, onde os deuses viveriam e tão difícil de se chegar ao topo, que seria uma fortaleza quase que impenetrável; este passou a se chamar o monte Olimpo.
Gaia se revoltou pela traição de Zeus e decidiu se vingar; criou os Andróginos, criaturas de quatro patas e quatro braços, que podiam se interligar pela coluna e se transformar em criaturas muito mais fortes. Eles escalavam o Olimpo como se subissem uma pequena colina, Zeus lançava seus raios e pediu então que convocassem os Ciclopes para lhe criarem mais raios; enquanto isso, os Hecatônquiros lutaram ao lado dos irmãos para evitar a ameaça.
Gaia perde a batalha e consegue libertar seus filhos. Muito tempo se passa, Athena nasce; Hera se casa com Zeus e Hefesto passa a ser ensinado pelos Ciclopes e cuidado por Tétis, a qual era a favor dos deuses na guerra. Uma das filhas de Atlas engravida de Zeus e então nasce o jovem Hermes; até este momento, a hierarquia do Olimpo já estava formada, os deuses já reinavam e os filhos de Zeus concordaram com a paz entre eles e os titãs. Porém, os titãs queriam a luta contra Zeus e destruí-lo de qualquer forma. Com o nascimento de Dionísio, Hera resolveu matá-lo da forma mais cruel; o levou até Atlas e os outros titãs e disse:
"Venho em paz, por livre e espontânea vontade. Venho lhes oferecer parte do sangue de Zeus; esta criança é filha de seu tão odiado inimigo, e agora, lhes entrego. Sabe-se também que ele ajudará o pai a exterminar os titãs."
Após aquelas palavras, os titãs se lançaram sobre o bebê e o devoraram raivosamente, Hermes pegou o coração do bebê enquanto Athena lutava contra os titãs. Aquilo enfureceu os titãs logo queriam atacar.
Hélios perdeu o controle de sua carruagem solar de uma forma que a terra começou a se incendiar, sem outra escolha, Zeus lançou um raio em seu peito para matá-lo; sem forças, Apollo assumiu o trono do titã e se tornou deus Sol.
Selene se apaixonou por um humano e pediu que Zeus o imortalizasse, porém, também lhe foi dado um sono eterno. Por paixão, Selene o deitou em uma caverna e lá passou a viver com ele; cedendo seu trono para Artemis.
Hades havia criado um lugar onde apenas as piores almas seriam enviadas, o Tártaro; em uma reunião entre os deuses, foi pedido que uma parte do Tártaro estivesse separada apenas para os titãs. Assim o fizeram, Hades escolheu o local e Hefesto, junto a Poseidon e os Ciclopes forjaram os portões onde nem mesmo todos os titãs juntos poderiam destruir.
Mais algum tempo se passou e os titãs iniciaram sua rebelião final. Enquanto alguns ficavam em terra, outros tentavam subir no Olimpo; todos eles eram guiados por Atlas e Gaia. Foi uma época caótica, terremotos, maremotos e todos os desastres naturais estavam acontecendo. Zeus enfrentou Atlas com seus raios durante muito tempo pela proteção do Universo e dos céus, Poseidon lutava com Oceanus para que as águas não matassem toda a vida terrestre e Hades, lutava contra o Tártaro; quando ele criou o submundo, criou junto com ele um titã que o representava. Este titã era extremamente demoníaco, competia com o deus pelo controle das almas.
Hefesto estava sem descanso há dias, forjando armas e raios para os deuses junto com os Ciclopes. Artemis teve de ser enviada para caçar qualquer titã em Terra, tendo matado alguns deles. Apollo observava nos céus o movimento dos titãs e através de Hermes avisava os deuses; com suas flechas, conseguia atrasá-los, pois o máximo que acontecia ao serem atingidos era o cansaço, enquanto se um deus fosse atingido por elas, poderiam ser mortos.
No Olimpo, as deusas ficaram protegidas pelas muralhas que eram defendidas pelos Hecatônquiros e por Dionísio. Alguns titãs conseguiram subir nos templos e lá foram persuadidos por Hera, Perséfone e Afrodite, as três mais belas; enquanto isso, Dionísio se transformava em um leão gigantesco e os engolia.
A batalha estava acirrada, sem ganhadores ou perdedores definidos, mas os deuses sozinhos estavam ficando sem muitos recursos; Pan começou a convocar todos os seus sátiros e centauros para que avisassem as ninfas e mandassem a mensagem de que os deuses necessitavam de ajuda urgente. Centauros e minotauros se prontificaram para a defesa das cidades enquanto os sátiros e ninfas protegiam os animais e as florestas. Órion convocou seus irmãos e foram ajudar Artemis (até então, não eram enamorados); quando Apollo desceu para ajudar sua irmã, o Universo entrou no período das trevas, o Sol não mais iluminava, não havia dia nem noite; Eos subiu ao trono que pertencia a sua irmã e irmão e lá deu o brilho da aurora para guiar os deuses; ainda assim não era o necessário. Perséfone desceu ao submundo e convocou a hierarquia que seu marido havia criado. Os deuses da morte, da dor e da agonia entraram em aliança com Ares e seus filhos; então Zeus percebeu que, para vencer os titãs, seriam necessários os próprios titãs.
Num grito de desespero, Hera convocou Hermes e pediu que chamasse todos os titãs aliados. Tétis e seus filhos ajudaram Poseidon contra seu marido; Têmis recorreu a sua espada, trazendo a justiça, a qual nunca tarda ou falha; e por fim, Nêmesis percebeu que em sua ampulheta, as areias já haviam terminado de marcar o tempo, então ela convocou todos os titãs para lutarem ao lado dos deuses e Hécate usou sua magia para desnortear os titãs e clarear os pensamentos dos deuses.
Foi então que o fim da guerra se iniciou, sob a espada de Têmis e Nêmesis, os titãs rebeldes desistiram da tentativa e foram jogados no Tártaro para que sofressem e nunca mais fugissem do submundo. Os Ciclopes e Hecatônquiros decidiram guardar os portões do Tártaro para que ninguém os abrisse.
A vitória estava decidida, os deuses haviam ganho a guerra e trouxeram novamente a paz para o Universo.

O destino dos titãs:
Alguns titãs ficaram destinados a penas mais cruéis do que vagarem pelo Tártaro.
Cronos estava preso e perdido no deserto, assim como no Tártaro, não tinha companhia, nem comida nem bebida; mas o seu desespero era feito por saber que estava no mundo dos vivos e não conseguir encontrar a saída.
Atlas foi incumbido de segurar os céus sob seus ombros (algumas versões dizem que é o mundo), assim suportaria o peso todo em suas costas e Zeus não teria mais que zelar por Urano.
Oceanus foi aprisionado no canto mais profundo dos mares, onde não podia ouvir o cantar das sirenes e nem ver o Sol, que tanto lhe agradava.
Tifão, um dos titãs dos ventos, foi aprisionado em uma montanha gelada; assim, sentiria o frio e não poderia mover seus membros; aprisionado na prisão de pedra, não teria forças para fugir.
Prometeus, pela sua audácia de roubar o fogo de Apollo, foi acorrentado aos pés de uma montanha e todos os dias uma águia comeria seu fígado, durante a noite, ele se regeneraria e na manhã seguinte, sentiria as dores novamente pelo regresso da ave.
Os outros titãs rebeldes foram aprisionados no Tártaro.
Alguns titãs receberam gratificações por terem ajudado os deuses.
Têmis voltou ao Olimpo sob convite dos deuses.
Nêmesis recebeu o mesmo convite, porém escolheu viver em terra, pois os humanos sempre a convocam.
Hécate ganhou um trono entre o Olimpo e o submundo; passou a fazer parte da hierarquia Olímpica e Cnótica (ver postagem sobre Hades), estando muitas vezes ao lado de Artemis.
Tétis foi considerada por Poseidon, uma sub-regente dos mares, onde ela assumiria o controle quando ele estivesse no Olimpo.
Gaia ascendeu ao Olimpo após se redimir pelos erros. Como Zeus e seus irmãos sabiam sobre a forma que Gaia agia, sabiam que era comum esta forma de defesa; afinal, eles também haviam cometido erros.

Por que titãs de gerações mais avançadas foram mortos e os de gerações mais antigas não?
Um dos fatos de grande curiosidade nas guerras titânicas é que muitos titãs morreram; entretanto, estes eram titãs de quarta geração em diante. Muitos se perguntam "Por que não matar Atlas e os outros?", a demora da guerra ser concluída é pelo fato de que os titãs precisavam ser imobilizados.
Se algum deles fosse morto, a própria natureza estaria morrendo. Por exemplo, se Oceanus fosse morto, o Oceano inteiro desapareceria; o que aconteceu com alguns rios, que eram seus filhos, quando foram mortos, estes rios deixaram de existir.
Existe também outro fato muito importante para os titãs não terem sido mortos. Mesmo mais fortes que eles, os deuses não possuíam o controle da natureza; então a prisão dos titãs geraria automaticamente um controle sobre a energia da natureza que eles controlavam.
Com o controle sobre Cronos, Zeus controlava o tempo. Sobre Oceanus, Poseidon tinha total controle sobre a água; sobre o Tártaro, Hades controlaria todas as almas; e assim por diante.

Um enorme abraço para todos e a seção de mitologia grega se despede por aqui com um titânico adeus e desejos de que as pessoas tenham lido e adquirido algo, desde o simples conhecimento até o mais profundo sentimento.

5 Response to "Guerras Titânicas"

  1. Wally elsissy says:
    23 de outubro de 2010 20:43

    Felipe, de acordo com o que lemos, isso é uma fábula.
    Mas e você, qual sua opinião?
    Tudo isso aconteceu de fato??

    P.S. Vc já sabe que sou curiosa e pergunto mesmo :D

  2. Felipe M. says:
    23 de outubro de 2010 22:41

    Bom Wally, realmente alguns momentos podem ser fantasiosos e serem simples histórias para atiçar a imaginação humana, mas veja, através destas "fábulas", os gregos encontravam explicações para vários fenômenos. Os nórdicos também possuem um momento específico onde os deuses lutam contra os gigantes, que são a própria natureza também. Ao meu ponto de vista, é uma história magnífica, mas eu tenho minha fé também e a sigo com muito orgulho! Vale lembrar que era comum o pai ser morto pelo filho para que ele pudesse assumir os negócios da família de forma rápida!

  3. Wally elsissy says:
    23 de outubro de 2010 23:33

    Entendi. Obrigada :)

    Bjos e bom domingo!!

  4. Driih says:
    24 de outubro de 2010 14:09

    oláaa, parabéns pelo blog, já estou seguindoo
    passa lá no meu e siga também
    http://blogdesaia.blogspot.com
    obrigada
    bju

  5. Junior Says:
    21 de abril de 2012 23:24

    Olá Felipe me responda essa:
    Se Zeus e Atlas são da mesma geração divina então Zeus também é um titã?!
    O que Atlas controlava como titã?

Related Posts with Thumbnails